domingo, 18 de abril de 2010

Dentro de um filme em inglês


Pela primeira vez em três semanas consegui acordar depois das 8h da manhã...bem, mais precisamente 11h50.

E não foi por falta de luz, porque no meu quarto entravam radiantes raios de sol. Simplesmente, três semanas a acordar às 8h da manhã não sou definitivamente eu.

Enquanto sol brilhava lá fora, eu ia me tentando decidir se devia sair de casa para apanhar uns banhos de sol - não sei se isso é mesmo possível aqui em terras de Sua Majestada, mas não custa tentar ganhar uma corzinha, nem que seja para ficar com as faces rosaditas - só pode ser esse o bronze inglês.

No entanto, a perguicite é uma característica minha, muito vincada. E acabou por me vencer. Até porque depois o sol desapareceu. Aqui em Inglaterra eu já percebi que é mais manhã de soalheiro e tarde de nevoeiro.

Resolvi então retomar a minha maratona de séries televisivas. Mas enquanto descansava na minha cama, ainda de pijama, comecei a ouvir vozes a aproximarem-se. E a ouvir falar no meu nome...
Só tive tempo para pensar..."já não tenho tempo para ficar com um ar apresentável". Por isso limitei-me a levantar e a abrir a porta.

Fora do meu quarto estavam dois polícias, um senhor e o meu flatmate inglês.

Pela minha cabeça passou-me tudo. Excepto de que tinha sido eu a cometer algum crime.

Entretanto lá percebi que tinha sido alguma coisa com o meu flatmate lituano. De facto, ainda não tinha inalado o seu forte perfume esta manhã, ou ouvido o telefone tocar consecutivamente, e nem a música da Beyonce me tinha acordado - se calhar foi por isso que dormi quase até ao meio-dia.

Enquanto os polícias tentavam abrir a porta, o senhor começa-me a perguntar o meu nome. Claro está, antes de dizer o meu nome, perguntei quase sem voz, o que tinha acontecido. Para irem lá a casa, se calhar o rapaz tinha morrido, e precisavam de vir buscar as coisas dele - foi a primeira coisa em que pensei.

Mas o polícia limitou-se a dizer que tinha sido preso e que não podia dizer porquê.

Lá lhe dei os meus dados, disse-lhe o que sabia do rapaz. O inspector perguntou-me até o que é que ele ontem levava vestido. Preferi, claro, não ser muito extensa nas minhas respostas. Sabe-se lá se o soltam e ele se vem vingar em mim?!?

O inspector limitou-se então a dizer que depois me ligariam para eu dar o meu testemunho. E pronto, eu bem que tentei, mas parece que vou mesmo ficar com o meu nome na justiça inglesa.

Passado uns 10 minutos, a polícia subiu de novo ao 1º andar - o quarto do lituano é colado ao meu - e eu gentilmente deixei o polícia entrar no meu quarto para que conseguisse arrombar a porta. Caso contrário, certamente não teria tido espaço para ganhar balanço.

Por lá ficam mais de meia hora, a revistar tudo e mais alguma coisa.

Lá em baixo, o flatmate inglês dava conversa ao inspector. E posso dizer que é um verdadeiro desbocado. Espero que o mesmo não me venha a acontecer a mim.

Apenas uma hora depois de terem chegado, é que a Polícia então resolveu que era hora de deixar as pessoas aproveitar o seu domingo. E confesso que a fome já apertava.
Para trás ficava uma única informação, o lituano havia sido preso.

Roubo? Confusão na noite? Drogas? Assassinato?!

Definitivamente assassinato é o crime que mais me passa pela cabeça. Porque outro motivo viriam a casa do rapaz, arrombariam a porta, com ordem do tribunal, revistariam o quarto, e não poderiam dizer o motivo do rapaz ter sido preso?

Mas algo me diz que isto não fica por aqui.

Para já vou mudar o dinheiro para outra das minhas meias. Não vá o lituano tecê-las.

3 comentários:

cindy disse...

que filmeee. achei que no fim da crónica ia encontrar a resposta à pergunta: o que fez o rapaz????

Xica disse...

Vim agora do Quiz e nem sinal dele. Continua detido

Sofia K. disse...

lol que filme, miúda! queremos ir sabendo as novidades. ;-)

esta ideia do blogue foi mesmo boa... e só poderia ter vindo de uma boa pessoa como eu... LOL

beijinhos